fbpx
Print Friendly, PDF & Email

A performance de um motor aeronáutico é um tema de grande importância para pilotos e engenheiros, pois envolve diversos parâmetros críticos que afetam o desempenho e a segurança de uma aeronave.

Este artigo aborda os principais conceitos relacionados ao torque, potência, cilindrada, eficiência, limites de rotação da hélice, e os diferentes tipos de potência envolvidos no funcionamento do motor. Compreender esses conceitos é essencial para otimizar o uso dos motores e garantir operações seguras e eficientes.

1. Conceituação

A performance de um motor é avaliada principalmente pela potência e torque que ele é capaz de produzir em diferentes condições de funcionamento. A potência de um motor representa o trabalho desenvolvido por ele em uma unidade de tempo, ou seja, a capacidade de converter a energia química do combustível em trabalho mecânico. Por outro lado, o torque é o produto da força pela distância em relação ao eixo de rotação, sendo responsável pela capacidade de um motor em realizar um determinado trabalho.

Esses dois fatores, potência e torque, são essenciais para determinar a eficiência e capacidade de um motor em realizar suas funções. A potência indicada, por exemplo, representa a potência bruta produzida pelo motor, enquanto o torque influe

2. Torque e Potência

a) Torque

No contexto de um avião, o torque é o esforço rotacional exercido pelo motor sobre a hélice. O torque é a capacidade de uma força de produzir rotação, e no caso específico de uma aeronave, o torque gerado pelo motor é fundamental para impulsionar a hélice e gerar o movimento necessário para o voo.

Quando o motor do avião está em funcionamento, ele gera um torque que é transmitido para a hélice. Esse torque é responsável por fazer a hélice girar e gerar a força necessária para impulsionar 

b) Potência

A potência é o trabalho que um motor realiza por unidade de tempo. Geralmente, a potência é medida em HP (Horse Power) ou em CV (Cavalo Vapor). O HP é uma unidade de medida de potência que representa a capacidade de um cavalo robusto em erguer um peso de 76 kgf à altura de 1 metro em 1 segundo. Por outro lado, o CV é uma unidade de medida de potência que considera um peso de 75 kgf.

Essas unidades de medida, HP e CV, são utilizadas para quantificar a potência de motores e equipamentos mecânicos, sendo uma forma de comparar e avaliar a capacidade de realizar trabalho de diferentes dispositivos. A referência ao cavalo robusto levantando um peso em determinadas condições padronizadas ajuda a estabelecer uma medida comum e compreensível para a potência dos motores.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

O cálculo da potência de um motor é feito multiplicando o torque gerado pelo motor pela velocidade de rotação. Essa fórmula matemática é fundamental para determinar a potência efetiva que um motor é capaz de produzir em determinada situação. No entanto, para realizar esse cálculo, é necessário converter as unidades de medida corretamente, o que pode ser um pouco confuso devido às diferentes unidades envolvidas.

O torque é geralmente medido em unidades como m.kgf (metro-kilograma-força) ou Nm (Newton-metro), enquanto a velocidade de rotação é medida em RPM (rotações por minuto). Para obter a potência em uma unidade de medida como HP (Horse Power) ou kW (quilowatts), é necessário garantir que as unidades estejam corretamente convertidas e compatíveis entre si.

Por exemplo, se um motor desenvolve um torque de 30 m.kgf a 2420 RPM, a sua potência será:

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

A potência produzida por um motor depende de vários fatores, incluindo a cilindrada do motor, a eficiência ou rendimento do mesmo e a velocidade de rotação. Vamos explicar cada um desses fatores:

Cilindrada do Motor: A cilindrada do motor se refere ao volume total dos cilindros do motor. Em geral, motores com maior cilindrada tendem a produzir mais potência, pois têm maior capacidade de queima de combustível e, portanto, podem gerar mais energia. A cilindrada é um fator importante na determinação da potência máxima que um motor pode produzir.

Eficiência ou Rendimento do Motor: A eficiência ou rendimento de um motor se refere à capacidade do motor de converter a energia do combustível em trabalho mecânico de forma eficiente. Motores mais eficientes conseguem extrair mais potência útil a partir da energia liberada pela queima do combustível. Um motor com alta eficiência terá uma melhor capacidade de transformar a energia em potência de saída.

Velocidade de Rotação: A velocidade de rotação do motor também influencia a potência que ele é capaz de produzir. Em geral, motores que podem atingir velocidades de rotação mais altas tendem a produzir mais potência, pois são capazes de realizar mais ciclos de combustão em um determinado período de tempo. A relação entre a velocidade de rotação e a potência é fundamental para determinar o desempenho do motor em diferentes situações.

3. Cilindrada

A cilindrada de um motor é o volume total deslocado pelo pistão durante o seu curso, ou seja, o volume compreendido entre os pontos mortos inferior e superior. Para motores multicilíndricos, a cilindrada total do motor é a soma das cilindradas de todos os cilindros.

No exemplo dado, se cada pistão em um motor de quatro cilindros deslocar um volume de 400 cm³, a cilindrada total do motor será igual a 1600 cm³ ou 1,6 litros. Isso significa que a cada curso completo de todos os pistões, o motor é capaz de deslocar um volume total de 1600 cm³ de ar e combustível.

A cilindrada de um motor é um indicador importante de sua capacidade de produzir potência, pois está diretamente relacionada à quantidade de ar e combustível que o motor pode admitir e queimar em cada ciclo de funcionamento. Portanto, ao se referir à cilindrada de um motor, é comum expressar o valor em litros para facilitar a compreensão, evitando a expressão “1600 cilindradas” e utilizando a unidade de medida mais usual, como 1,6 litros no caso mencionado.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

4. Eficiência ou Rendimento

A eficiência de um motor indica a parcela da energia calorífica do combustível que é convertida em energia mecânica. Nos motores reais, essa eficiência varia geralmente de 25% a 30%. A eficiência de um motor depende de vários fatores, sendo os principais:

Bom projeto e construção do motor: Um projeto bem elaborado e uma construção de qualidade são fundamentais para garantir a eficiência de um motor. Componentes bem projetados e fabricados adequadamente contribuem para minimizar perdas de energia e maximizar a conversão de energia calorífica em energia mecânica.

Elevada taxa de compressão: A taxa ou razão de compressão é um fator crucial para a eficiência de um motor. A taxa de compressão é o quociente entre o volume do cilindro e o volume da câmara de combustão. Quanto maior a taxa de compressão, maior a eficiência do motor, pois uma maior compressão resulta em uma melhor queima do combustível, o que leva a uma maior produção de energia mecânica a partir da energia calorífica.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

Na prática, a taxa de compressão em motores a combustão interna não pode ser muito maior que 8:1 devido ao fenômeno da detonação, também conhecido como batida de pinos. A detonação ocorre quando a mistura ar/combustível se auto-ignita de forma não controlada antes da centelha da vela de ignição, resultando em uma combustão rápida e descontrolada.

Quando a taxa de compressão é muito alta, a pressão e temperatura dentro da câmara de combustão aumentam significativamente durante a compressão, o que pode levar à detonação. A detonação não apenas reduz a eficiência do motor, mas também pode causar danos severos aos componentes do motor, como pistões, cabeças de cilindro e válvulas.

5. Limites de Rotação da Hélice

A eficiência da hélice diminui consideravelmente quando as pontas da hélice atingem velocidades próximas à velocidade do som devido a razões aerodinâmicas. Quando a velocidade das pontas da hélice se aproxima da velocidade do som, ocorrem fenômenos como compressibilidade do ar e formação de ondas de choque, que afetam negativamente o desempenho da hélice.

Para evitar esses problemas aerodinâmicos e garantir a eficiência da hélice, os motores aeronáuticos geralmente funcionam em baixa rotação e desenvolvem potência através do alto torque. Isso é alcançado através de motores com grandes cilindradas, que são capazes de gerar um torque elevado em rotações mais baixas.

Ao operar em baixa rotação, a hélice consegue manter uma eficiência aerodinâmica adequada, evitando problemas relacionados à compressibilidade do ar e à formação de ondas de choque. Além disso, o alto torque gerado pelos motores de grande cilindrada permite que a hélice mova uma grande massa de ar de forma eficiente, proporcionando a potência necessária para impulsionar a aeronave.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

6. Potência Teórica

A Potência Teórica de um motor é a potência liberada pela queima do combustível, calculada a partir do poder calorífico do combustível, que é a quantidade de energia liberada durante a combustão. O poder calorífico do combustível, ou entalpia de combustão, é determinado em laboratório por meio de calorímetros.

No caso específico da gasolina, sabemos que um grama de gasolina libera 44 mil joules de energia através da combustão. Portanto, se um motor queimar 10 gramas de gasolina por segundo, serão liberados 440 mil joules de energia por segundo, o que equivale a 440 quilowatts. Essa é a potência teórica do motor, ou seja, a quantidade máxima de energia que o motor é teoricamente capaz de produzir a partir da queima do combustível.

Em termos de potência, 440 quilowatts correspondem a aproximadamente 590 HP (Horse Power), uma unidade de medida comum para potência de motores. Essa potência teórica representa o máximo teórico que o motor pode produzir a partir da energia liberada pela queima do combustível, considerando um processo ideal e sem perdas.

7. Potência Indicada

A Potência Indicada é a potência mecânica que os gases da combustão transferem aos pistões de um motor. Essa potência é calculada por meio de indicadores que medem diretamente as pressões dentro dos cilindros do motor durante o ciclo de operação. A potência indicada representa a quantidade de energia mecânica que os gases da combustão são capazes de gerar para movimentar os pistões.

É importante ressaltar que a Potência Indicada é geralmente inferior à Potência Teórica do motor. Isso ocorre devido às perdas de energia que ocorrem no processo de combustão e expansão dos gases, conforme previsto pela Segunda Lei da Termodinâmica. Essas perdas de energia, muitas vezes na forma de calor, reduzem a eficiência do processo e resultam em uma potência indicada que representa menos de 60% da potência teórica do motor.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

8. Potência Efetiva ou Potência ao Freio

A Potência Efetiva é a potência medida no eixo da hélice de uma aeronave e corresponde a aproximadamente 25% a 30% da potência teórica do motor. Essa potência efetiva é o resultado do trabalho mecânico realizado pelo motor e transferido à hélice para gerar a tração necessária para impulsionar a aeronave.

A Potência Efetiva é calculada subtraindo a Potência Perdida por atrito dentro do motor da Potência Indicada. A Potência Perdida por atrito representa a energia dissipada no motor devido ao atrito entre as partes móveis, aspiração de combustível, expulsão de gases de escape, acionamento de bombas, entre outros fatores. Ao deduzir essa potência perdida da potência indicada, obtemos a Potência Efetiva disponível para impulsionar a aeronave.

Para medir a Potência Efetiva, é utilizado um dinamômetro, um dispositivo que simula os esforços que a hélice impõe ao motor. O dinamômetro é capaz de medir a potência real entregue ao eixo da hélice, permitindo uma avaliação precisa da potência efetiva disponível para a propulsão da aeronave.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

9. Potência Máxima

A Potência Máxima é a potência efetiva que pode ser ajustada desde a mínima (marcha lenta) até a potência máxima. Essa potência máxima pode ser superior à potência de projeto do motor e é utilizada por um curto período de tempo, como durante a decolagem ou em situações de emergência em que é necessária a potência máxima do motor para garantir a segurança e o desempenho da aeronave.

10. Potência Nominal

A Potência Nominal, por sua vez, é a potência efetiva máxima para a qual o motor foi projetado e pode ser utilizada sem restrição de tempo. Também conhecida como “Potência Máxima Contínua”, essa potência faz parte das especificações do motor e representa a capacidade máxima de desenvolvimento de potência do motor em condições normais de operação, sem exceder os limites de tempo estabelecidos.

11. Potência de Atrito

A Potência de Atrito é a potência perdida devido ao atrito nas partes internas do motor. Essa perda de potência ocorre devido ao atrito entre as peças móveis do motor, como pistões, anéis, bielas e outras partes que compõem o conjunto mecânico do motor. O atrito gera calor e consome energia, reduzindo a eficiência do motor e resultando em uma perda de potência que não é convertida em trabalho mecânico útil.

A Potência de Atrito varia com a rotação do motor, uma vez que o atrito entre as peças móveis aumenta com o aumento da velocidade de rotação. Para medir a Potência de Atrito, é possível girar o motor sem combustível, utilizando o dinamômetro. O dinamômetro é um dispositivo que permite medir a potência gerada pelo motor ao girar as peças internas sem a presença de combustível, simulando o funcionamento do motor em condições de teste.

Ao girar o motor sem combustível no dinamômetro, é possível avaliar a quantidade de potência perdida devido ao atrito entre as peças internas do motor. Essa medição é importante para entender as perdas de energia no sistema, identificar possíveis áreas de melhoria no projeto do motor e otimizar a eficiência do conjunto mecânico.

12. Potência Útil

A Potência Útil é a potência de tração que a hélice desenvolve sobre a aeronave, impulsionando-a para frente. Essa potência é essencial para manter a aeronave em movimento e superar o arrasto aerodinâmico durante o voo. A Potência Útil é calculada multiplicando a Potência Efetiva do motor pela eficiência da hélice.

A eficiência da hélice é um fator crucial na determinação da Potência Útil, pois representa a capacidade da hélice de converter a potência do motor em tração de forma eficiente. A eficiência da hélice varia com a velocidade da aeronave, uma vez que a eficiência aerodinâmica da hélice é influenciada pela velocidade do ar que passa por ela.

Ao multiplicar a Potência Efetiva do motor pela eficiência da hélice, obtemos a Potência Útil, que é a potência disponível para impulsionar a aeronave para frente. Essa potência é fundamental para manter a aeronave em voo e superar as forças de arrasto que atuam sobre ela durante o deslocamento no ar.

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

13. Abreviaturas Inglesas

Conheça as seguintes abreviaturas em inglês, pois são muito usadas em publicações aeronáuticas:

  • IHP (Indicated Horse Power): Potência indicada
  • BHP (Brake Horse Power): Potência efetiva
  • FHP (Friction Horse Power): Potência de atrito
  • THP (Thrust Horse Power): Potência útil

14. Ordem Sequencial de Grandeza

Na ordem decrescente, temos:

Fonte: Livro Aeronaves e Motores – Conhecimentos Técnicos de Avião – Jorge M. Homa

15. Definições na Teoria de Voo

a) A Potência Necessária é a potência que o avião necessita para manter um voo nivelado. Essa potência varia com a velocidade da aeronave, mas não depende diretamente do motor ou da hélice, sendo uma característica exclusiva do projeto e das características aerodinâmicas da aeronave. A Potência Necessária é determinada pela quantidade de energia necessária para superar o arrasto aerodinâmico e manter a aeronave em equilíbrio durante o voo nivelado, sem aceleração ou desaceleração.

b) A Potência Disponível é a potência útil máxima que o grupo motopropulsor, composto pelo motor e pela hélice, pode fornecer à aeronave. Essa potência já foi estudada e é representada pela curva “Manete a Pleno”. A curva “Manete a Pleno” mostra a relação entre a potência disponível em função da velocidade da aeronave, considerando a eficiência da hélice em converter a potência do motor em tração.

Essa curva é essencial para entender a potência máxima que o grupo motopropulsor pode fornecer em diferentes condições de voo e para garantir o desempenho adequado da aeronave.

Em resumo, a performance de um motor aeronáutico é determinada por uma série de fatores interligados, como torque, potência, cilindrada e eficiência. Cada um desses elementos desempenha um papel crucial na operação do motor e na eficiência global da aeronave.

Ao compreender esses conceitos, pilotos e engenheiros podem tomar decisões informadas que melhoram o desempenho e a segurança dos voos. Este conhecimento não só contribui para a manutenção adequada dos motores, mas também para a evolução contínua das tecnologias aeronáuticas.