fbpx
Print Friendly, PDF & Email

A aerodinâmica, a ciência que estuda o comportamento do ar em movimento e suas interações com objetos, é fundamental para entender o voo das aeronaves. Muitos estudos e textos detalhados foram dedicados a essa área.

Entretanto, nem todos os profissionais do setor aeronáutico precisam ser experts em todos os nuances da aerodinâmica. Pegue o exemplo de um mecânico: sua especialidade não está na teoria em si, mas na aplicação prática. É essencial que ele compreenda como a atmosfera, a aeronave e as forças em jogo interagem. Essa compreensão é crucial quando se busca tomar decisões que influenciam a segurança do voo, seja em aviões convencionais ou helicópteros. Além disso, ele deve entender os princípios por trás dos sistemas de controle da aeronave e a necessidade de manter superfícies aerodinamicamente eficientes, principalmente ao realizar manutenções nas modernas e sofisticadas aeronaves de hoje.

A origem da palavra “aerodinâmica” é interessante: vem do grego, onde “AER” significa ‘ar’ e “DYNE” representa ‘força’. Assim, a aerodinâmica é o estudo dos objetos em movimento através do ar e das forças que influenciam esse movimento.

Em sua essência, a aerodinâmica analisa como o ar age sobre um objeto, seja esse objeto movendo-se pelo ar ou estando parado enquanto o ar flui ao seu redor. Três componentes-chave nesse estudo são: a própria aeronave, o fluxo de ar (ou vento relativo) e a atmosfera.

Falando em atmosfera, é vital ter algumas noções básicas antes de nos aprofundarmos na teoria de voo:

  1. A Atmosfera e Aeronaves: Uma aeronave opera dentro da atmosfera, um ambiente cujas propriedades têm profundo impacto no desempenho e controle da aeronave.
  2. Composição do Ar: O ar que respiramos é uma mistura de gases, majoritariamente nitrogênio e oxigênio. Como uma combinação de gases, o ar segue leis específicas.
  3. O Ar como Fluido: O ar, por ser capaz de fluir e mudar sua forma sob pressão, é considerado um fluido.
  4. Peso do Ar: Apesar de ser invisível aos nossos olhos, o ar tem peso. Isso é evidente quando vemos objetos mais leves que o ar, como um balão de hélio, subindo ao serem soltos.

Pressão e Aerodinâmica

Pressão: A pressão é uma força exercida por um fluido (líquido ou gás) em um determinado ponto. No caso da atmosfera, esta força é exercida pelo peso do ar. Imagine mergulhar no oceano: quanto mais profundo você vai, mais pressão sente devido ao peso da água acima. Com o ar acontece o mesmo, quanto mais profundo na atmosfera, maior a pressão. No nível do mar, essa pressão é de 14,7 libras por polegada quadrada (psi). Por ser uma medida pesada para o ar, os cientistas usam “polegadas de mercúrio” como unidade padrão. Um tubo de mercúrio pode demonstrar essa pressão atmosférica, e à medida que ela muda, o nível de mercúrio sobe ou desce.

Densidade: A densidade é basicamente o quanto de substância (neste caso, moléculas de ar) você tem em um determinado espaço. O ar pode ser comprimido ou expandido, o que altera sua densidade. A densidade do ar é diretamente proporcional à pressão e inversamente proporcional à temperatura. Isso significa que nas altas montanhas, o ar é menos denso porque a pressão é menor. E quando o ar está quente, ele se expande e sua densidade diminui.

Umidade: Refere-se à quantidade de vapor d’água presente no ar. O ar pode reter mais umidade quando está quente do que quando está frio. Curiosamente, o vapor d’água é mais leve que o ar seco, então quanto mais úmido o ar, menor sua densidade. Isso tem implicações para a performance das aeronaves, já que em dias úmidos, uma aeronave pode precisar de uma pista mais longa para decolar devido à densidade reduzida do ar.

Princípio de Bernoulli: Este é um conceito fundamental na aerodinâmica. Imagine o ar fluindo sobre a asa de um avião (chamado aerofólio). A parte superior é curvada, enquanto a parte inferior é mais plana. Quando o ar passa sobre a parte superior curvada, ele acelera e a pressão diminui. Já na parte inferior, o ar se move mais lentamente e a pressão é maior. Essa diferença de pressão entre as partes superior e inferior cria a “sustentação”, que é o que permite que os aviões voem.

No final, o voo de uma aeronave é uma delicada interação entre quatro forças: gravidade (peso), sustentação, empuxo e arrasto. A sustentação contrabalança a gravidade, permitindo que a aeronave suba, enquanto o empuxo (gerado pelos motores) contrabalança o arrasto (resistência do ar) para mover a aeronave para frente. É essencial que os mecânicos de aeronaves entendam esses conceitos para garantir que as aeronaves sejam mantidas de forma segura e eficiente.

MOVIMENTO

Movimento é uma mudança de lugar ou posição. A sua definição varia de acordo com o ponto de referência, o que significa que um objeto pode parecer estar em movimento para um observador e parado para outro. O exemplo dado ilustra isto perfeitamente: uma pessoa sentada em um avião em movimento pode parecer estar parada dentro do avião, mas para alguém no solo, essa pessoa está se movendo a uma alta velocidade.

O ar, quando está parado, pode parecer inofensivo. No entanto, quando começa a se mover, pode exercer força sobre objetos, como um avião. Esta força que o ar exerce devido ao seu movimento ou ao movimento de um objeto através dele é o que chamamos de “vento relativo”.

VELOCIDADE E ACELERAÇÃO

Há uma distinção crucial entre “speed” e “velocity”. “Speed” refere-se apenas à rapidez com que algo se move, sem levar em conta a direção. “Velocity”, por outro lado, leva em consideração tanto a rapidez quanto a direção do movimento.

Aceleração é a taxa na qual a velocidade de um objeto muda. Quando algo acelera, sua velocidade está aumentando. Se está desacelerando, ou seja, diminuindo sua velocidade, experimenta uma “aceleração negativa”.

LEI DO MOVIMENTO DE NEWTON

Newton formulou três leis que descrevem como os objetos se movem. Estas leis são fundamentais na física e têm aplicações práticas na aviação:

Lei da Inércia: Um objeto permanecerá em repouso ou em movimento uniforme em uma linha reta, a menos que seja forçado a mudar esse estado por forças aplicadas a ele.

Lei da Força: A força aplicada a um objeto é igual à massa do objeto multiplicada pela aceleração (F = m.a). Em termos simples, se você aplicar uma força a um objeto, ele acelerará na direção dessa força.

Lei da Ação e Reação: Para toda ação, existe uma reação igual e oposta. Isso é claramente visto em como os aviões voam. As asas de um avião empurram o ar para baixo (ação), e o ar empurra as asas para cima com igual força (reação), permitindo que o avião se sustente no ar.

Estas leis, quando compreendidas e aplicadas corretamente, permitem que os aviões voem de maneira controlada e segura.

AEROFÓLIOS

Um aerofólio é essencialmente qualquer forma ou superfície que, ao se mover pelo ar, gera uma força a partir da interação com este ar. Esta definição ampla significa que não são apenas asas que contam como aerofólios, mas também coisas como as pás de uma hélice.

Pás da Hélice
As pás da hélice, por exemplo, são projetadas para criar um desequilíbrio de pressão: alta pressão atrás da pá e baixa pressão na frente, de forma que essa diferença empurre a aeronave para frente. É similar ao modo como um barco se move através da água usando remos.

Perfil da Asa
O perfil da asa, que é uma representação transversal da asa, é talvez o exemplo mais icônico de um aerofólio. A forma da asa é curvada de forma que a superfície superior seja mais arqueada que a inferior. Isso é crucial para criar a força de sustentação.

Como a Sustentação é Criada
A ideia é que o ar que flui sobre a superfície superior da asa tem que cobrir uma maior distância em comparação ao ar que flui sob a asa, fazendo-o mover-se mais rapidamente. De acordo com o princípio de Bernoulli, à medida que a velocidade de um fluido (neste caso, o ar) aumenta, sua pressão diminui. Assim, temos uma pressão mais baixa na parte superior da asa e uma pressão mais alta na parte inferior, resultando na força ascendente chamada sustentação.

Determinação Teórica da Sustentação
A sustentação real que uma asa pode gerar depende de vários fatores, como a velocidade do ar e a diferença de pressão entre a parte superior e inferior da asa. Por exemplo, no trecho, uma diferença de pressão de apenas 0,13 libra por polegada quadrada resulta em cada pé quadrado da asa sustentando 18,72 libras!

Aumentando a Sustentação
A força de sustentação não é estática; pode ser ajustada. Alterando o ângulo de ataque da asa (o ângulo entre a asa e o fluxo de ar), o formato do aerofólio, ou a área da asa, pode-se impactar diretamente a sustentação. Também, voando a altitudes diferentes, onde a densidade do ar varia, ou aumentando a velocidade do avião, a sustentação pode ser influenciada.

Ângulo de Ataque e projeto de uma asa

Corda: É a linha imaginária que liga o bordo de ataque ao bordo de fuga de um aerofólio ou seção de asa.
Ângulo de Ataque: Representa o ângulo formado entre a corda do aerofólio e a direção do vento relativo. Ele é essencial para a sustentação da aeronave. Aumentar o ângulo de ataque pode incrementar a sustentação até um certo ponto, após o qual a sustentação rapidamente diminui.
Ângulo Crítico: É o ponto em que o fluxo de ar sobre o aerofólio não é mais suave, causando turbulência e, consequentemente, estolagem da aeronave.
Centro de Pressão

Representa o ponto onde a força resultante (sustentação) atua sobre o aerofólio.
Ele muda de posição conforme o ângulo de ataque varia: avança com o aumento do ângulo e retrocede com sua diminuição.
Ângulo de Incidência

É o ângulo formado entre a corda do aerofólio e o eixo longitudinal da aeronave.
Difere do ângulo de ataque pois é um ângulo fixo, determinado pelo projeto da aeronave.
Área da Asa

Aumentar a área da asa, mantendo outras variáveis constantes, aumentará proporcionalmente a sustentação e o arrasto.
Forma do Aerofólio

A forma do aerofólio afeta sua eficiência aerodinâmica, influenciando o fluxo de ar e a turbulência em torno dele.
Aerofólios eficientes geralmente têm sua maior espessura cerca de um terço do caminho a partir do bordo de ataque.
A camber (curvatura) do aerofólio impacta a sustentação. Asas com alta sustentação têm uma camber superior significativa.
Alongamento

Representa a comparação entre a envergadura da asa e sua corda.
Asas com maior alongamento oferecem mais sustentação, mas existem limites estruturais e de arrasto.
Em síntese, o projeto de um aerofólio e a compreensão de conceitos como o ângulo de ataque são fundamentais para a aerodinâmica de uma aeronave. Estes determinam como o ar flui ao redor do aerofólio, influenciando a sustentação, o arrasto e, portanto, a eficiência e a segurança da aeronave.

CENTRO DE GRAVIDADE E FORÇAS EM VOO

Centro de Gravidade (CG)
A gravidade é uma força universal que atrai todos os objetos em direção ao centro da Terra. Em termos simples, o centro de gravidade é o ponto onde o peso total de um objeto, como uma aeronave, está concentrado. Se uma aeronave fosse suspensa exatamente em seu CG, ela permaneceria equilibrada, independentemente de sua orientação. O posicionamento correto do CG é crucial para a estabilidade de uma aeronave e influencia seu comportamento em voo.

Forças em Voo
Há uma batalha constante de forças atuando em uma aeronave em voo. Essas forças são:

Peso: Causado pela força da gravidade, age verticalmente para baixo. Engloba tudo na aeronave: estrutura, combustível, passageiros e carga.
Sustentação: Atua verticalmente para cima, oposta ao peso. É produzida principalmente pelas asas ao interagir com o ar.
Arrasto: É a resistência oposta ao movimento. É causado pelo fluxo de ar interagindo com a estrutura da aeronave.
Empuxo: Produzido principalmente pelos motores, é a força que empurra ou puxa a aeronave para frente, superando o arrasto.
Para que uma aeronave voe reto e nivelado, o empuxo deve ser igual ao arrasto, e a sustentação deve ser igual ao peso. Se uma destas forças for alterada sem uma alteração correspondente na força oposta, a aeronave mudará sua atitude ou velocidade.

Tipos de Arrasto
O arrasto é categorizado em:

Arrasto Parasita: Vem de partes não aerodinâmicas da aeronave, como engrenagens e antenas.
Arrasto de Perfil: Devido à forma e características da asa.
Arrasto Induzido: Relacionado à geração de sustentação. Aumenta com o aumento do ângulo de ataque.

Movimentos da Aeronave
Uma aeronave pode girar em torno de três eixos:

Longitudinal (Rolamento): Rodar para a esquerda ou direita.
Lateral (Arfagem): Mover para cima (nariz para cima) ou para baixo (nariz para baixo).
Vertical (Guinada): Mover o nariz para esquerda ou direita.

Essas rotações são controladas por superfícies de controle específicas na aeronave, e compreender como elas funcionam é fundamental para pilotar com segurança e eficiência.

Estabilidade e Controle de Aeronaves:

  1. Conceitos-chave:

Estabilidade: capacidade da aeronave em manter-se numa trajetória uniforme.
Maneabilidade: a aptidão da aeronave em resistir a perturbações.
Controlabilidade: como a aeronave responde aos comandos do piloto.

  1. Estabilidade Estática: Refere-se ao imediato comportamento da aeronave após uma perturbação.

Positiva: a aeronave retorna ao seu estado original após uma perturbação.
Negativa: após uma perturbação, a aeronave continua a se desviar.
Neutra: a aeronave nem retorna ao estado original nem continua a se desviar.

  1. Estabilidade Dinâmica: Refere-se ao comportamento da aeronave ao longo do tempo após a perturbação.

Positiva: os desvios da aeronave diminuem com o tempo.
Negativa: os desvios aumentam com o tempo.

  1. Estabilidade Longitudinal: Foco no ângulo de ataque e nos movimentos de arfagem. O estabilizador horizontal, na cauda da aeronave, desempenha um papel crucial nisso. Basicamente, ajuda a aeronave a não inclinar muito para frente ou para trás.
  2. Estabilidade Direcional: Refere-se ao movimento em torno do eixo vertical. Uma aeronave estável não desviará de sua trajetória original, mesmo sem interferência do piloto. Aqui, o estabilizador vertical (ou leme vertical) é a estrela. Também, asas enflechadas e uma fuselagem longa melhoram essa estabilidade.
  3. Estabilidade Lateral: Trata-se do movimento em torno do eixo longitudinal, ou seja, o movimento de rolagem da aeronave. As asas, principalmente sua geometria e ângulo, desempenham um papel vital aqui.

Elementos Auxiliares:

Diedro: É o ângulo que as asas fazem com um plano horizontal. Asas com diedro positivo tendem a restaurar automaticamente a aeronave a uma posição nivelada após serem perturbadas.
Enflechamento: Refere-se ao ângulo das asas em relação à fuselagem. As asas enflechadas podem contribuir para estabilidades direcional e lateral.
Em suma, a estabilidade e o controle são fundamentais para garantir que uma aeronave voe de maneira segura e eficiente. Designers de aeronaves devem levar em consideração esses fatores para proporcionar a melhor experiência de voo possível para pilotos e passageiros.

O que é Controle de voo?
Controle é a capacidade de manipular uma aeronave, garantindo que ela siga a trajetória desejada. Quando uma aeronave é considerada controlável, ela responde rapidamente e com precisão aos comandos do piloto.

Como funciona?
O controle da trajetória de voo é alcançado através de superfícies de controle. Quando estas são ajustadas, elas alteram o fluxo de ar ao redor delas, impactando o equilíbrio de forças que atuam na aeronave.

Superfícies de Controle de Voo
Estas são aerofólios móveis projetados para modificar a atitude de uma aeronave em voo. Elas se dividem em grupos:

Grupo primário:

Ailerons: Controlam o movimento de rolagem da aeronave.
Profundores: Contribuem para a elevação e descida.
Leme: Responsável pela guinada.
Grupo secundário:

Compensadores comandáveis: Pequenos aerofólios que permitem ao piloto corrigir desequilíbrios em vôo.
Compensadores conjugados: Ajudam o piloto a mover as superfícies primárias.

Grupo auxiliar:

Flapes: Aumentam a sustentação durante a decolagem e reduzem a velocidade no pouso.
Spoileres: Reduzem a sustentação.
Freios aerodinâmicos: Reduzem a velocidade da aeronave.
Slats e Slots: Aumentam a sustentação em baixas velocidades.

Entendendo a Rolagem
O movimento de uma aeronave ao redor do eixo longitudinal é chamado de rolagem. A rolagem é controlada pelos ailerons. Essas superfícies móveis, localizadas nas asas, afetam a sustentação e, consequentemente, a inclinação da aeronave. Um aileron elevando-se em uma asa enquanto o oposto se abaixa na outra asa faz com que a aeronave incline-se ou role.

Guinada
A guinada refere-se à rotação da aeronave em torno de seu eixo vertical. Isso é controlado pelo leme. Movendo o leme para a esquerda ou direita, a aeronave gira ou guina nessa direção.

Portanto os profissionais como mecânicos precisam entender as interações entre atmosfera, aeronave e forças para garantir a segurança. A origem da palavra vem do grego, significando ‘força do ar’. A aerodinâmica analisa como o ar afeta objetos em movimento ou estáticos. A atmosfera é fundamental para o desempenho das aeronaves, afetando a pressão, densidade e umidade do ar.

O Princípio de Bernoulli é crucial na aerodinâmica, explicando como asas de avião geram sustentação. O voo depende de quatro forças: gravidade, sustentação, empuxo e arrasto. Mecânicos devem entender esses conceitos para manter aeronaves seguras e eficientes.

O movimento é definido por mudanças de lugar ou posição e varia de acordo com o ponto de referência. O ar em movimento exerce força sobre objetos, conhecida como vento relativo.

Velocidade e aceleração são distintas: a primeira considera a direção, a segunda mede a mudança na velocidade. As leis de Newton descrevem o movimento de objetos, fundamentais na aviação.

Aerofólios são superfícies que geram força ao se moverem pelo ar, como asas e pás de hélice. Seu design influencia a sustentação e o arrasto, fundamentais na aerodinâmica.

O Centro de Gravidade é crucial para a estabilidade das aeronaves. Forças em voo, como peso, sustentação, arrasto e empuxo, são fundamentais para o voo equilibrado.

Aeronaves podem girar em três eixos: longitudinal, lateral e vertical. Compreender a estabilidade e o controle é crucial para um voo seguro.

Superfícies de controle, como ailerons e lemes, são cruciais para controlar a aeronave. Estas, juntamente com elementos auxiliares, ajudam os pilotos a manter a trajetória desejada durante o voo.

115 Questões AERODINÂMICA ANAC Grátis!

Banca Mecânico de aeronaves!

Banca Mecânico de aeronaves!

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + 8 =